sábado, 7 de janeiro de 2012

Desilusão


Não é fascinação?
Não é pura ilusão?
Não é por emoção?

Da onde vem essa desilusão?
Qual a razão de sentir tanta solidão?
Se internamente já aceitei a tua rejeição.

O meu corpo não expressa as minhas dores,
Os meus olhos não visualizam belas cores,
O horizonte não se destacou nas folhas.

Desejei um sono sem sonhos,
Desejei tocar o infinito novamente,
Desejei morrer com um dos teus beijos.

Tive lampejos de insanidade e fúria,
Colhi amoras no quintal de Gaia,
Enterrei o amor desesperado.

Cultivei a serenidade das flores murchas,
O meu jardim se encheu de lama,
Reguei-o com minhas lágrimas.

Desilusão não rima com imensidão,
Desilusão não faz um belo verão,
Desilusão enferruja o coração.



10 comentários:

  1. Entre o curto espaço entre a desilusão e a rima do teu coração não restam velhos anseios pela libertação de suas aves de verão ... que voam, voam ...



    sem direção ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem direção... sem rumo e voando sem parar! :)

      Excluir
  2. Infelizmente temos de passar por isso...

    ResponderExcluir
  3. tu e o mario fernando tem o dom para a poesia , muito lindo :D

    ResponderExcluir
  4. Desilusão maltrata deveras. Muito lindo o poema. ^^

    ResponderExcluir
  5. Gennifer, agora percebi que os poemas são da tua/sua autoria.

    Genial.

    Muito profundos os poemas.

    Parabens.


    silenciosquefalam.blogspot.com

    ResponderExcluir

Não se acanhe e comente!