quinta-feira, 5 de agosto de 2010

A carta inesperada

"Subitamente
na esquina do poema, duas rimas
olham-se, atônitas, comovidas,
como duas irmãs desconhecidas..."
(Mario Quintana, "O encontro")

Para Alan (Meu amado pai virtual)

Hoje recebi a tua singela carta,
Muito alegrei-me ao terminar
De ler à respeito do que te aconteceu,
Tentei imaginar coisas sobre a tua vida.

Peculiar e abismal, assim, foi como tracei
O abrasador ato de absorver os detalhes
Por ti relatados, sem floreios, sôfregos,
Eu também sofri constatando os teus dilemas.

As tuas dores, teus desamores, sem externar
O fato de teu coração estar tão fragilizado.

A carta por mim ansiosamente aguardada
Chegou em uma data deveras inesperada,
Pois essa carta me foi entregue justo
No dia três do mês de Agosto.

Considerei-a o meu melhor presente...
Esta noite dormirei contente, ganhei um belo,
Delicadíssimo, afectuoso e raro presente
Pelo meu aniversário, no meu aniversário.

Espero agradar-te com esses versos absortos,
Jubilosamente me entretenho sonhando contigo,
Concentrando-me em expressar a profundidade
De meu pensamento sublimado, querido pai!

Nossas vivências, embora distanciadas por obra
Do misterioso destino, foram sincronizadas
No dia que nossos corações se entrelaçaram
Graças ao Divino amor do Criador.

Genniffer L. Moreira
____________
Obs: Poema escrito em 03 de Agosto de 2010, às 21hrs.

2 comentários:

  1. Eu também achei! =)

    Foi o melhor dos presentes que eu ganhei até a data deste dia.


    ;*

    ResponderExcluir

Não se acanhe e comente!